Recomeço diante das adversidades

Luto emocional é um período de recolhimento em si, uma experiência emocional profunda e individual, definida pela capacidade de lidar com perdas ou encerramentos dolorosos, como por exemplo: uma demissão, um término de relacionamento e até mesmo a perda de um ente querido. Não necessariamente está ligado à morte física. Ele passa por diversas fases: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Cada fase precisa ser vivida e respeitada para que haja o recomeço.

A pandemia do Coronavírus e o isolamento social fizeram com que o luto emocional fizesse parte da vida de muitos brasileiros. Que perderam amigos, empregos, familiares e até mesmo a liberdade de ir e vir. Esse sentimento de perda constante gerou desespero, frustrações e até mesmo a vontade de desistir. Mas para a teóloga Gabriela Lopes, autora do livro “Não é só o caos-Há um recomeço”, para cada encerramento de ciclo há uma nova oportunidade:

“A vida não é uma receita de bolo que você segue passo a passo e “plim, deu tudo certo!” Não é! A vida tem percalços com os quais você não contava. E se você ficar se medindo pela régua dos outros vai adoecer. Às vezes você olha alguém que se formou aos 18, com 30 já fez quatro faculdades, tem família, filhos… e você pensa: “Sou um fracassado!”. Você precisa entender que aquela régua ali serve para medir a vida dele, e não a sua.”

A jovem hoje acumula uma legião de seguidores nas redes sociais, acumula em torno de 500 mil seguidores em seu instagram, onde compartilha sua rotina e sua fé. Outro canal usado por ela é o Youtube, com 576 mil inscritos no seu canal oficial, que fala sobre suas lives e vídeos seus pregando nas diversas igrejas em que passa. Mas nem sempre foi assim.

Nascida e criada em um lar evangélico, no distrito de Xerém, em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, sua infância foi muito difícil. A mãe, que lavava e passava roupas para fora, e o pai, que capinava terrenos, não tinham condições financeiras e moravam em uma casa de favor, com a caridade de parentes paternos.

“Eu lembro que minha mãe caçava bambu no mato, cozinhava e colocava para a gente comer. Muitas vezes era a nossa única refeição. Nossa casa era fria e úmida, me lembro que os cogumelos nasciam nas paredes e que minha mãe tentava amenizar o frio colocando papelão no chão. Mas meus pais sempre davam um jeito para que fossemos à igreja. Muitas vezes o cobrador deixava que eu passasse na roleta sem pagar porque eu não tinha dinheiro para a passagem. Trocava o vale transporte do meu pai no açougue por dinheiro para ir a escola”, conta Gabriela.

Mas nem os percalços da vida humilde fizeram a jovem desistir. Ainda criança o pai ganhou um terreno e começou a construir uma casa para a família. Que viraria uma igreja, onde ele montaria seu ministério. O sonho da menina passou a ser cantora. Mas a voz grave não permitiu que ela seguisse carreira. Já na fase adulta ela resolveu sair de casa e estudar. Foi morar de favor com alguns familiares, trabalhava em dois empregos e se dedicava à igreja. Há dez anos, ela assumiu o chamado como “pregadora”, seguindo os passos do pai:

“Eu sempre amei a Palavra, escrevia canções, mas eu não queria pregar justamente porque me faltavam referências de mulheres pregadoras, no geral eram homens. Eu comecei a pregar dentro de Xerém mesmo, nas congregações. Mas eu era muito ruim, falava que Deus ia matar as pessoas… eu era horrível. Nos últimos cinco anos eu comecei a sair de Xerém para pregar. Em outros estados é ainda mais recente, não tem nem um ano. Deus foi gradativo na minha vida”, explica Gabriela.

Lançado em junho, o livro “Não é só o caos-Há um recomeço”, fala sobre os temas da vida cotidiana, que motivam a recomeçar e a ter outra visão sobre as lutas e frustrações da vida, incentivando sempre. A autora faz um convite ao entendimento sobre a dor e como usá-la como ferramenta impulsionadora para garantir conquistas e manter o foco nos seus objetivos. A publicação é personalizada e composta por devocionais, tarefas diárias, espaço exclusivo para anotações pessoais e versículos para meditação.

Box com 5 dicas para Recomeçar:

Quando você sentir a necessidade de um recomeço e não souber de onde partir, tente seguir alguns destes conselhos:

1. Recomece a lutar

“Quando o desânimo for mais forte que você, lembre-se do seu propósito. Todos nós estamos nessa vida terrena para aprender e ensinar grandes lições. Relembre sua força, seus aprendizados e do seu sorriso e recomece a lutar”.

2. Recomece sem culpar

“Fico indignada com pessoas que dizem não conquistar as coisas por culpa de”A “ ou”B “. Talvez você também tenha caído nessa de procurar um culpado para suas frustrações, mas permita-me contrariá-lo, e desculpe-me por isso, mas NINGUÉM é responsável pelos seus sonhos! Você é o único responsável por eles! Você tem um sonho? Corra atrás dele! Não se baseie na crença de outrem. “Ah, mas ninguém acredita”. Acredite você! “

3. Recomece e faça

“Às vezes nos enganamos a nós mesmos. Dizemos “eu quero muito”, mas não fazemos nada pelo que queremos. Então na verdade achamos que queremos, mas não queremos, porque quem quer, faz. Rejeite essa mentira travestida de querer! Mande-a embora. Queira como quem, de fato, quer. Se mova pelo que você quer!”

4. Recomece com coragem

“ Já vou começar este texto assustando você e dizendo: Se não tiver coragem, não tem como! E você pode estar se perguntando agora: “Coragem para quê, Gabriela?”. Coragem para romper com dogmas impostos por pessoas. Coragem para ignorar a opinião de quem não acredita. Coragem para ir a lugares em que todos acreditam que você não pode ir. Coragem! Hoje a palavra é CORAGEM! Você tem duas opções: ou rompe hoje com esse estigma que colocaram em sua mente, ou vai perder mais um dia sendo o que disseram que você é ”

5. Recomece a mudar

“Entenda que todo processo exige uma grande transformação. Então dê o primeiro passo e recomece a mudar”.